Andanças do IPR: Luciana Ribeiro

Exemplo de luta resistência feminista em um ambiente patriarcal.

Por Paula Lanza

Em meio a tantas agricultoras e tantos agricultores experientes, uma das integrantes da Cooperativa dos Pequenos Produtores Agroextrativistas de Pandeiros (Coopae), no Distrito de Pandeiros, em Januária (Norte de Minas Gerais), chama a atenção pela pouca idade e pelos olhos atentos. Ela é Luciana Ribeiro de Oliveira, da Comunidade das Tabocas. Desde julho de 2014 está aprendendo com os cooperados mais antigos como extrair polpas de frutos do Cerrado e armazená-las.

A jovem de 23 anos teve uma infância dura. Foi obrigada a deixar a escola, aos 12 anos, para ajudar o pai na roça. “Acordava bem cedo para levar o gado para pastar, tirar leite das vacas, fazer queijo, alimentar as galinhas, capinar… A lista de afazeres era enorme!”, relembra. Mesmo tendo sido impedida de estudar para trabalhar na roça, Luciana não guarda rancor e não tem vontade de deixar o campo, o Norte de Minas, o Semiárido, para tentar a vida na cidade grande.

Em 2013, após participar do curso de Gestão de Recursos Hídricos, foi contemplada com uma cisterna de placas para captação de água da chuva para consumo humano. Isso facilitou a sua vida e a de sua família, uma vez que passaram a contar com água de qualidade bem ao lado de casa, e não mais a quilômetros de distância.

Casada, mãe de uma filha de cinco anos, cursando o 8º ano do Ensino Fundamental, hoje diz ter recuperado sua juventude. “Está vendo esta foto aqui?”, pergunta, mostrando a carteira de identidade. “Fiz esse documento aos 16 anos. Na foto pareço muito mais velha do que hoje, não é mesmo?”. E ela tem razão.

Além do trabalho junto à Coopae, Luciana se ocupa da criação de frango para venda e produção de ovos, em parceria com o marido Edinei Carneiro da Silva. Nas horas livres ensina sua filha Geovanna a ler e a escrever, deita-se na rede com olhar fixo no horizonte, e suspira aos risos: “Minha vida está boa demais… Eu não largo isso aqui é nunca!”.

colagemlu-liberto

Paula Lanza é jornalista e comunicadora dos projetos do IPR dentro do eixo Convivência com o Semiárido

Comentários

Comentários